Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://tede.ufam.edu.br/handle/tede/3995
Tipo do documento: Dissertação
Título: A lei de cooficialização das línguas Tukano, Nheengatu e Baniwa em São Gabriel da Cachoeira: questões sobre política linguística em contexto multilíngue.
Autor: Silva, Fabiana Sarges da 
Primeiro orientador: Pacheco, Frantomé Bezerra
Primeiro membro da banca: Silva, Raynice Geraldine Pereira da
Segundo membro da banca: Bruno, Ana Carla dos Santos
Resumo: Localizado no Noroeste Amazônico, no Alto Rio Negro, o município de São Gabriel da Cachoeira apresenta uma realidade sociolinguística complexa por apresentar uma grande diversidade de etnias, línguas e culturas. São cinco as famílias linguísticas presentes na região que se dividem em vários grupos étnicos. Cada família linguística se concentra em maior número de pessoas em uma das calhas de rio: Uaupés, Içana e Rio Negro e Xié. Dessa maneira, as calhas de rio apresentam uma língua predominante que serve para a comunicação interétnica. Assim, temos o Tukano na bacia do Uaupés, o Nheengatu nos rios Negro e Xié e Baniwa no rio Içana. Após muitas discussões por parte das lideranças indígenas e algumas instituições e organizações (IPOL, ISA, UFAM, FOIRN) oficializou-se essas três línguas indígenas em nível municipal na lei 145/2002 e, após alguns anos, regulamentou-se na lei 210/2006. Neste trabalho tentamos analisar as representações que a lei de cooficialização e sua regulamentação possuem para os agentes sociais que vivenciam o processo de implementação da Lei. Durante o desenvolvimento do estudo verificamos como estão sendo desenvolvidas as ações que operacionalizam a política de cooficialização das línguas Tukano, Nheengatu e Baniwa, bem como o uso dessas e das demais línguas indígenas nos contextos diversos do município de São Gabriel da Cachoeira, interior do estado do Amazonas. Partiu-se do ponto de vista dos professores indígenas participantes dos cursos de licenciatura do PARFOR – Plano Nacional de Formação de Professores de Educação Básica – que, através das respostas dadas ao questionário aplicado, aliadas as entrevistas realizadas com ex-vereadores e diretores da FOIRN – Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro, permitiu que fosse analisadas as representações, o conhecimento, opinião e atitudes acerca da política de cooficialização local, além de caracterizar o uso de outras línguas por essas pessoas. As respostas são estabelecidas por meio da interação dialógica que se apresentam em contextos de enunciações contornados pelo social.
Abstract: The municipality of São Gabriel da Cachoeira located on the Rio Negro in the Northwest Amazon, is home a diverse range of ethnic groups, languages, and cultures, forming a complex sociolinguistic reality. There are five language families in the region that are divided into several ethnic groups. Each language family is concentrated in one of the three main tributary river systems: Uaupés, Içana and Rio Negro/Xié. In this way, one language is predominant for interethnic communication in each of these river systems – Tukano in the Uaupés basin, Nheengatú along the Negro and Xié, and Baniwa along the Içana. After much discussion by the indigenous leaders and some institutions and organizations (IPOL, ISA, UFAM, FOIRN) these three languages were granted official status at the municipal level in the law 145/2002, which, after a few years, was regulated by the law 210/2006. In this thesis, I will analyze what the officialization law and its regulations represent for the social agents who are experiencing the process of its implementation. Throughout the study, I observed how actions are being developed to operationalize the policy cooficializing the Tukano, Nheengatú, and Baniwa languages, as well as the use of these and other indigenous languages in various contexts in the municipality of São Gabriel da Cachoeira. This study provides the perspectives of indigenous teachers participating in the PARFOR undergraduate program (a national program providing basic teacher training education), obtained through the use of a questionnaire. In addition, interviews were conducted with FOIRN (the Federation of Indigenous Organizations of the Rio Negro) directors and with former municipal councilors who had been involved in the development of this law. In the results presented here, I analyze the representations, knowledge, beliefs, and attidudes these people have about the coofficialization policy, in addition to characterizing their use of other languages. I will show how these two sources of information – survey responses and interview responses – work in dialogical interaction with one another, and situate both within a broader social context.
Palavras-chave: Antropologia linguística
Linguagem e cultura
Professores indígenas
multilingualism
language policy
co-oficialization
indigenous teachers
dialogical interaction
polyphony
Área(s) do CNPq: LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES: LETRAS
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Amazonas
Sigla da instituição: UFAM
Departamento: Instituto de Ciências Humanas e Letras
Programa: Programa de Pós-Graduação em Letras
Citação: SILVA, Fabiana Sarges da Silva. A lei de cooficialização das línguas Tukano, Nheengatu e Baniwa em São Gabriel da Cachoeira: questões sobre política linguística em contexto multilíngue. 2013. 192f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2013.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.ufam.edu.br/handle/tede/3995
Data de defesa: 7-Nov-2013
Aparece nas coleções:Mestrado em Letras

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação - Fabiana Sarges da Silva.pdfDissertação - Fabiana Sarges da Silva11,69 MBAdobe PDFThumbnail

Baixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.