Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://tede.ufam.edu.br/handle/tede/5578
Tipo do documento: Dissertação
Título: Interação homem e animal de estimação: um estudo acerca da posse de animais silvestres na cidade de Lábrea – AM
Autor: Canto, Delana de Souza 
Primeiro orientador: Marchand , Guillaume Antoine Emile Louis
Primeiro membro da banca: Pereira, Henrique dos Santos
Segundo membro da banca: Fraxe, Therezinha de Jesus Pinto
Terceiro membro da banca: Ribeiro, Ricardo Agum
Resumo: Em diferentes regiões do Brasil, é possível verificar a presença de espécimes da fauna silvestre como animais de estimação nas residências, mesmo nas áreas urbanas. Embora haja uma legislação ambiental peculiarmente restritiva sobre a posse de espécies silvestres, além de campanhas promovidas pelos órgãos de proteção que visam dar orientação aos compradores e a sociedade, a posse ilegal ainda é um problema que se prolonga no tempo. No Amazonas, essa realidade pode ser evidenciada no cotidiano tanto das cidades como das zonas rurais. Nesse sentido, este trabalho teve como objetivo geral compreender por que as pessoas continuam criando animais silvestres como animais de estimação na cidade de Lábrea, no Amazonas. Para estudo de campo, foram aplicados formulários e realizadas entrevistas individuais com 65 donos de animais e também com 04 agentes do setor da proteção ambiental. Após a coleta de dados em campo, os mesmos foram organizados em planilhas no programa Excel, analisados e interpretados. As informações mais subjetivas do formulário foram sintetizadas por meio de tabelas e gráficos, o que requereu primeiramente a análise dos discursos e o agrupamento das ideias veiculadas em categorias mais simples. Tabelas e ilustrações foram feitas com intuito de descrever e resumir os dados. Após análise, evidenciou-se que todos os motivos que influenciaram na decisão de criar animais silvestres para estimação são antropocêntricos, pois posicionam o homem como principal destaque na relação entre o homem e animal e considerando o primeiro acima do segundo. A posse representa uma prática ligada ao costume local, pois independentemente do nível escolar ou condição social, a maioria dos entrevistados afirmou que “sempre teve animal silvestre por perto”. Isso significa que, desde cedo, tiveram esse tipo de contato, através dos pais, amigos ou vizinhos. Nesta perspectiva, a posse pode ser fruto dos costumes intrínsecos à cultura e aos modos de vida locais. Em relação às campanhas de informações, a maior parte não tem conhecimento a esse respeito, por parte de nenhuma instituição. Na perspectiva dos entrevistados, as proibições do IBAMA (como a posse para estimação sem autorização legal e aquisição de criadouro autorizado) acerca da posse ilegal não possuem justificativas razoáveis, pois não fazem distinção entre a posse oriunda de tráficos diversos (julgada imoral e com impacto negativo para os animais) e a posse de escala local (julgada não prejudicial para os animais). Outros acreditam que as proibições beneficiam apenas o governo, por meio de seus órgãos e limitam a posse legalizada às classes sociais privilegiadas. De forma geral, observou-se que os riscos sociais, sanitários e ambientais inerentes à posse de animais silvestres são desconhecidos pelos criadores. Mais da metade dos participantes não associa a posse com consequências para os animais, nem para a sociedade ou ao ambiente como um todo. Para alguns, isso se deve ao desconhecimento sobre os temas abordados na pesquisa, especialmente no que tange aos riscos de zoonose. Todavia, para os problemas relacionados aos animais ou ao ambiente, alguns donos pareceram estar cientes, mas preferem ignorá-los ou minimizá-los. Nessa conjuntura, entende-se que a resolução da questão da posse ilegal só terá progressos quando os órgãos de defesa do ambiente forem atuantes na localidade, de forma que sejam capazes de fiscalizar, cobrar a aplicação da lei, e sobretudo, de tornar a sociedade local ciente das consequências que a posse pode trazer a médio e longo prazo nos seus diversos enfoques.
Abstract: In different parts of Brazil, it is possible to observe the presence of specimens belonging to the wild fauna as pet animals in households, even in urban areas. Even though the environmental legislation is particularly restrictive regarding the possession of wild species, in addition to campaigns promoted by protection institutions aiming at guiding both buyers and society, the illegal possession remains an issue over time. In the state of Amazonas, this scenario is evident in the daily routine either in cities and rural areas. In this context, the general objective of this paper was to understand the reasons that lead people to continue to raise wild animals as pet animals in the city of Lábrea, Amazonas state. For the field study, we applied forms and conducted individual interviews with 65 animal owners in addition to four agents of the environmental protection sector. Subsequently to the field data collection, we carried out an organization in Excel spreadsheets to be analyzed and interpreted. The most subjective information in the form were synthetized using tables and charts, which primarily required the analysis of the discourses and the grouping of ideas conveyed in simpler categories. Tables and illustrations were carried out in order to describe and summarize the data. After the analysis, it became evident that all of the reasons that influenced the decision to raise wild animals as pets are anthropocentric for placing men as the main highlight in the mananimal relationship and considering the former above the latter. The possession represents a practice related to the local tradition since it does not depend on school level or social condition; most of the respondents stated that “has always had a wild animal around”, which means that early on, they had this type of contact through parents, friends or neighbors. In this perspective, the possession may have arisen from habits intrinsic to the local culture and life styles. Regarding informational campaigns, most people never even learn about them by any sector of the institution. In the perspective of the respondents, the prohibition by IBAMA (such as possession as pet without legal authorization and acquisition of authorized aviary) regarding illegal possession are not reasonably justified for not distinguishing between the possession derived from several trafficking practices (regarded as immoral and with negative impact on animals) and local possession (regarded as not harmful to animals). Others believe that the prohibitions benefit only the government through its bodies and limit the legalized possession to privileged social classes. In general, we observed that the raisers do not known the social, sanitary and environmental risks inherent to the possession of wild animals. Over half of the participants do not associate the possession with consequences to the animals, neither to society or the environment as a whole. For some, this is because they do not know the topics approached in the research, especially concerning zoonosis risks. However, for the issues related to the animals and the environment, some owners seemed to be aware, but preferred to ignore or minimize them. In this scenario, we understand that de resolution of the illegal possession issue will only show advances when the environmental protection bodies become locally active in a way that makes them able to monitor, demand the application of the law and above all make the local community aware of the possible medium- and long-term consequences of the possession regarding different focuses.
Palavras-chave: Animal silvestre
Animal de estimação
Ambiente doméstico
Posse de animais
Área(s) do CNPq: CIÊNCIAS AGRÁRIAS: RECURSOS FLORESTAIS E ENGENHARIA FLORESTAL
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal do Amazonas
Sigla da instituição: UFAM
Departamento: Faculdade de Ciências Agrárias
Programa: Programa de Pós-Graduação em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia
Citação: CANTO, Delana de Souza. Interação homem e animal de estimação: um estudo acerca da posse de animais silvestres na cidade de Lábrea – AM, 2016. 101 f. Dissertação (Mestrado em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2016.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://tede.ufam.edu.br/handle/tede/5578
Data de defesa: 14-Jul-2016
Aparece nas coleções:Mestrado em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação - Delana S. Canto.pdf2,55 MBAdobe PDFThumbnail

Baixar/Abrir Pré-Visualizar


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons